segunda-feira, 19 de abril de 2010

Prisão de ventre

.
Esta é para você, minha amiga, que sofre de prisão de ventre. A propósito, alguém já viu algum homem reclamar de prisão de ventre? Eu, particularmente não conheço nenhum que sofra desse mal que me persegue desde que nasci.

Sabe aquela goiaba bem vermelhinha e suculenta? Pois é. É o maior trauma da minha vida. Desde criança, sempre fui louca por goiaba, mas todas as vezes que comia, era batata! Uma semana entopida, de doer tudo. Até sentar era difícil. Ir ao banheiro era um sofriento. Nem com todo o esforço do mundo a bendita saía. Tá, alguém vai dizer que se não comer a goiaba com a semente, não prende o intestino. Mas que graça tem goiaba sem semente, se ela é o que há de mais gostodo e docinho na goiaba?

Hoje em dia, quando meu intestino resolve funcionar, pode saber que é menstruação vindo aí. Eu sei que é nonejto falar sobre isso, mas qual a mulher que não sofre ou nunca sofreu disso, gente? Pouquíssimas!

Já tentei "de um tudo" para tentar regular meu intestino. Lacto purga, complexo 46, chá de sene, o escambal. O resultado é uma madrugada insone no trono. Resolvi apelar para uma tentativa mais saudável: mudar meus hábitos alimentares. Resultado: não consegui.

Minha alimentação nunca foi o que se pôde chamar de "um exemplo de boa alimentação". Sempre comi muito doce e pouca comida "de verdade". Desde os 14 anos, não tomo café da manhã. Levantava muito cedo, mal dava tempo de me vestir e o ônibus da escola já estava businando na porta de casa. Levantar cedo é um saco. Nunca me acostumei com isso.

Depois que saí da casa da minha mãe, piorou. Cheguei a substituir meus almoços por chocolate. Enfim... não adianta, que minha alimentação vai continuar uma porcaria até o dia em que eu ficar doente "de verdade". Mas eu tenho momentos saudáveis. De vez em quando faço minhas vitaminas naturais e isso tem ajudado.
Então, a quem interessar, vai a dica:

Um mamão papaia bem maduro
Uma pêra bem madura
Ameixas secas (coloquei 6)
Meio copo de caldo de beterraba
Um copo d'água
Aveia
Açúcar ou adoçante a gosto
Bata tudo no liquidificador e está pronta a vitamina que eu batizei de Prisão de Ventre.

Funcionou, viu, gente!

Postado por Érika

6 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Prisão de ventre na mulher, tb é um fator cultural de que as meninas são estimuladas a esconder tudo sempre, e isso fica registrado tb nesse sentido...

E sem uma alimentação rica em fibras, vc realmente não vai conseguir resolver essa questão... Meu intestino, ao contrário das outras mulheres, sempre funcionou pra mais, muito mais. Mas tb o que como de verduras é algo impressionante!

Beijocas

Atitude: substantivo feminino. disse...

Homem não tem mesmo, vc lembrou bem. Aliás eles se cagam à toa. Já reparou? Já saem do almoço e vão ao banheiro, menina...um luxo.

Adnanda disse...

O intestino da minha mãe é um reloginho! Todos os dias, sempre depois do almoço, ela tem o seu momento de libertação! Ai, como eu queria que fosse assim comigo!

Daia.BSilva disse...

Ah, eu sofro desse mal, se sofro! Minha alimentação também não é a melhor coisa do mundo, mas também quero mudar isso, passar a beber mais líquido. É incrível, nos dias em que consigo tomar umas 2 garrafinhas de água, vou ao banheiro... caso contrário, preeeso!

Ivan disse...

Ontem mesmo eu reclamava sobre a falta de criatividade nos temas abordado nos blogs. E aí eu chego aqui, e encontro alguém falando sobre prisão de ventre. Que maravilha. Ainda há futuro para blogosfera.
Mas, fia, deixa eu dizer uma coisa, homem também fica entalado. Eu sou homem, e já entalei. É dificil acontecer, mas quando acontece é um horror. Eu faço tanta força que meu medo é que aquela bosta [literal] saia feito um exocet e arrebente o vaso sanitário e atinja a vizinha do andar de baixo matando-a instantaneamente. É foda. Quando vc puder, esscreva também sobre caganeira, porque disso, eu entendo muito bem.

Ha!

Beijinhos.

Ivan
amordepapelao

Maris Morgenstern disse...

só pra constar...
conheço uns três homens q vivem o drama...
de todas as mulheres, rs

Postar um comentário